Ídolo do Dortmund vai jogar de graça no seu clube de origem na Polônia

por André Donke / ESPN

Acabou o amor à camisa no futebol. Quem nunca ouviu esta frase?

kuba

Bem, para Jakub Blaszczykowski ela não faz muito sentido. O meio-campista, que ficou famoso por sua passagem de sucesso pelo Borussia Dortmund entre 2007 e 2015, demonstrou um enorme carinho às suas origens futebolísticas ao praticar um gesto raríssimo no esporte mais famoso do mundo.

Depois de ter chegado a um acordo com o Wolfsburg e rescindir o seu contrato no começo de 2019, o jogador de 33 anos irá defender o Wisla Cracóvia, que o fez ganhar projeção no futebol profissional, e não irá receber um centavo sequer.

Isso porque o clube passa por dificuldades financeiras. Aliás, Kuba, como é conhecido, e dois investidores fizeram uma doação de quase um milhão de euros ao Wisla.

A atitude não passou despercebida pelo Dortmund, que postou uma mensagem no Twitter destacando o gesto do meio-campista, junto à palavra “lealdade”.

De acordo com o jornal alemão Bild, esta é a segunda vez que o atleta toma tal decisão, tendo ajudado o Wisla em 2018.

Revelado pelo KS Czestochowa, Blaszczykowski foi contratado pelo Wisla no começo de 2005, quando tinha apenas 19 anos. Logo no primeiro semestre, ganhou espaço entre os titulares e foi campeão polonês.

kuba2Duas temporadas depois, ele acabou negociado com o Dortmund por 3,05 milhões de euros. Titular desde o início, o meia, que tem na sua garra uma das principais virtudes, foi peça importante nas conquistas de duas edições da Bundesliga (2011 e 2012), uma Copa da Alemanha (2012) e no vice da Uefa Champions League (2013).

Em janeiro de 2014, porém, sua carreira entraria em queda com o rompimento de um ligamento do joelho direito. Outras lesões vieram na sequência, e Kuba não conseguiu mais jogar regularmente. Foi emprestado à Fiorentina em 2015-16 e depois vendido ao Wolfsburg em 2016-17.

Nos Lobos, o polonês recuperou a titularidade, mas as lesões novamente o prejudicaram em 2017-18, quando ele só atuou em 13 partidas. Na atual campanha, ele só havia atuado duas vezes (ambas na condição de reserva), antes de acertar com o clube a sua rescisão de contrato.

Agora, é o momento de o jogador que mais vezes defendeu a seleção polonesa (105 jogos) retornar para casa. E o começo não poderia ter deixado o torcedor do Wisla Cracóvia mais empolgado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *